Hoje é sexta-feira, 12 de abril de 2024

Modelo de defesa do SNCC do Ramo Crédito é apresentado em conferência mundial

As articulações pela aprovação da Lei Complementar 196/22, que atualizou a legislação que rege o cooperativismo de crédito no Brasil, foi um dos focos da fala do representante do Sicredi no Grupo Técnico Executivo do Conselho Consultivo Nacional do Ramo Crédito do Sistema OCB (Ceco), Clairton Walter, também superintendente do Sistema Sicredi, durante exposição na Conferência Mundial de Cooperativas de Crédito, na terça-feira (25).

O evento promovido pelo Conselho Mundial de Cooperativas de Crédito (Woccu), anualmente, reúne representantes do ramo de mais de 60 países para debater os temas de impacto para o segmento em todo o mundo.

Segundo Walter, a interlocução junto aos Três Poderes, em especial ao Banco Central do Brasil (órgão regulador, integrante do Poder Executivo) e a posição de consenso entre os membros do Sistema Nacional de Crédito Cooperativo (SNCC) foram fatores determinantes para a conquista do movimento brasileiro.

A Frente Parlamentar do Cooperativismo (Frencoop) foi citada como um dos pilares de suporte da defesa do segmento dentro do Parlamento e a voz para assegurar a aprovação de matérias importantes, além de impedir que outras de impacto negativo avancem.

O painel foi dedicado à importância das estratégias de defesa do modelo de negócios cooperativista diante de autoridades públicas para promover o crescimento e o fortalecimento do coop de crédito. Outro diferencial do coop brasileiro, detalhado por Clairton, é a coordenação centralizada na Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), que congrega todos os sistemas cooperativos, as coops independentes e o Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCC), para discutir tecnicamente as necessidade e desafios que devem ser superados pelo segmento.

O Sistema Nacional de Crédito Cooperativo participa do evento com mais de 300 lideranças dos diferentes sistemas organizados em três e dois níveis, além de representantes de coops independentes e do Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop). A conferência termina nesta quarta-feira (26) com debates e palestras relacionados à agenda ESG (cuidado ambiental, respeito social, boa gestão), ambiente regulatório das cooperativas em diferentes nações, gestão de riscos, inteligência artificial, atração do público jovem e lideranças femininas dentro do movimento.

Fonte: SomosCooperativismo