Hoje é sexta-feira, 1 de março de 2024

Pix Crédito: Ailos propõe nova modalidade de pagamento digital em parceria com Banco Central

A transformação digital chegou com força nos serviços financeiros. O Pix, ferramenta que permite transferências de dinheiro e realização de pagamentos de forma imediata, foi disponibilizado em 2020 e logo ganhou popularidade. A novidade não levou muito tempo para superar os cartões de crédito e débito como principal forma de pagamento no Brasil levando em conta o volume de transações.

Dados apresentados pelo Banco Central continuam mostrando uma trajetória de crescimento no uso do Pix, que já foi utilizado por 90% de quem participou da pesquisa Meios de Pagamentos 2022, elaborada pela Opinion Box.

Nesse cenário, o sistema que reúne 13 cooperativas singulares de crédito na região Sul e soma mais de 1,5 milhão de cooperados, idealizou uma proposta de solução de meios de pagamento parcelados utilizando o Pix. Dessa jornada surgiu o Ailos Pix Crédito, uma solução em desenvolvimento que integrou o LIFT Lab 2022.

Nascido do Laboratório de Inovação do Sistema, o Ailos Pix Crédito propõe a criação de uma nova modalidade de pagamento parcelado que aproveita a alta adesão do Pix. Além disso, ele também propõe que as taxas de transação sejam reduzidas para os estabelecimentos.

“A ideia é que o novo meio instantâneo de pagamento seja uma alternativa ao cartão de crédito, porém de forma digital e sem a necessidade de uso do cartão físico, simplificando as transações”, explica Juliano Onofre, coordenador de Experimentos de Inovação da Central Ailos.

Desafios

O Pix Crédito nasce com o desafio de aumentar as vendas dos cooperados PJ, ao oferecer uma nova opção baseada na simplicidade e agilidade do Pix, melhorando o fluxo de caixa das empresas. Já para cooperados PF, a solução almeja facilitar as compras e abrir uma nova possibilidade de recebimento de cashback.

Em relação ao desenvolvimento da ferramenta, um grande desafio é manter o Ailos Pix Crédito na conformidade com as regulamentações do Banco Central que regem o Pix.

Um dos pontos de atenção, diz respeito à recorrência da cobrança, uma vez que o Pix permite o cancelamento de transações agendadas. “Será necessário desenvolver um mecanismo capaz de sustentar o compromisso de crédito assumido pelo usuário PF ao aderir à solução, visto que a instituição se responsabiliza por garantir os recebimentos do cooperado PJ”, explica Juliano Onofre.

“Um desafio especialmente importante para a viabilização do Ailos Pix Crédito é a elaboração de uma regra de negócio própria, ou a flexibilização das regras atuais do Pix no caso específico do Pix Crédito, de modo a garantir que o usuário PF honre o compromisso de crédito assumido junto à cooperativa ao aderir à solução”, complementa o coordenador.

Desenvolvimento

A ideia do Ailos Pix Crédito surgiu por meio do mapeamento do Laboratório de Inovação da Ailos – e que já teve a história contada aqui no Radar da Inovação. O Laboratório estava se dedicando a estudos sobre movimentos de mercado, agenda de inovação do Banco Central e a criação de novos meios de pagamentos.

Durante a construção da solução no LIFT Lab, uma iniciativa da FENASBAC e do BC para instituições ou pessoas que trazem novas ideias para o setor financeiro, a equipe analisou o mercado para entender como outras instituições do ecossistema financeiro estão lidando com as novas possibilidades de pagamento digital e aplicações do Pix.

Depois disso, um grupo multidisciplinar foi formado por especialistas que buscaram entender melhor as funcionalidades do Pix, as demandas do mercado e as oportunidades de negócios. Dessa forma, foi possível desenhar as regras de negócio para o projeto e criar um protótipo de baixa fidelidade.

Para os cooperados Pessoa Física, o Pix Crédito funciona como um limite de crédito que, quando aprovado, é concedido por meio da assinatura de um contrato. “É um modelo semelhante ao do cheque especial no que diz respeito a regras de rotativo e cobrança no caso de não pagamento”, explica Juliano Onofre.

Com o limite liberado, os cooperados podem, então, fazer compras usando o Pix Crédito como meio de pagamento. A primeira parcela é paga na hora, e as demais vão sendo debitadas mensalmente. Se faltar saldo no dia do pagamento, ocorre a cobrança de juros e taxas.

Para os PJs que vão receber o dinheiro, por outro lado, o Ailos Pix Crédito funciona com a geração de um QR Code que será utilizado para cobrar as vendas. “O número de parcelas é combinado entre os cooperados PF e PJ e, assim que o PF paga, o PJ recebe a entrada já com o desconto da taxa da cooperativa e do cashback, quando houver”, diz Onofre.

Além disso, o paper apresentado no LIFT Lab aponta que o Pix Crédito também tem o potencial de:

  •     Acelerar a transformação digital por meio do uso do Pix.
  •     Fomentar a competitividade no Sistema Financeiro com um meio de pagamento simples e seguro.
  •     Fomentar o desenvolvimento do ecossistema de empreendedores locais e da comunidade.
  •     Reduzir taxas para o PJ quando comparadas ao que é cobrado pelas adquirentes de cartões de crédito.
  •     Incentivar a Educação Financeira, oferecendo alternativas simples e claras para a gestão do Pix Crédito.
  •     Promover a sustentabilidade, uma vez que é integrado a uma carteira digital.

Resultados

A solução foi selecionada para ser desenvolvida no LIFT Lab 2022, e apresentada durante o LIFT Day 2023. A participação representou um marco importante para a Ailos, que contribui para o desenvolvimento do sistema financeiro nacional por meio da inovação com a cara cooperativista.

“Desta forma, quando vimos o edital do LIFT, percebemos ser muito convergente com nosso objetivo e ficamos muito felizes em termos sido aprovados para desenvolvê-lo em parceria com a FENASBAC e Banco Central”, conta Juliano Onofre.

O Ailos Pix Crédito também mostra a força do cooperativismo de crédito no movimento de transformação digital do setor financeiro. A solução busca, dessa maneira, impulsionar o papel das Cooperativas de Crédito junto ao Sistema Financeiro Nacional.

Próximas iniciativas

O desenvolvimento do Pix Crédito continua. Para o segundo semestre de 2023, o foco está direcionado para os estudos de viabilidade financeira e o mapeamento de cenários possíveis para desenvolvimento do MVP do Produto. Tudo isso levando em conta diretrizes regulatórias do Pix e as recomendações de segurança.

“Além de um diferencial para as cooperativas de crédito, a funcionalidade poderá ser incorporada à agenda evolutiva do Pix, beneficiando todo o Sistema Financeiro Nacional como uma inovação no fornecimento de crédito”, destaca o coordenador de Experimentos de Inovação.

Além disso, a Ailos segue acompanhando o mercado de meios de pagamento digitais para oferecer soluções modernas para seus cooperados:

“Estamos em plena transformação digital e com certeza a modernização dos meios de pagamento é uma de nossas prioridades, sempre levando em conta a qualidade dos nossos serviços e a segurança para os nossos cooperados”, conclui Juliano Onofre.

Fonte: Inovacoop